Ela e o pote de chá

Olhava para baixo, pra dentro do pote e se via refletida entre a fumaça e o cheiro do dia.

Espelho molhado de gostinho meio doce meio amargo meio remédio para curar resfriado meio carinho para curar a dor

Se sentia sozinha espremida naquela imagem do fundo do potinho e se derramava um pouquinho salgando o que se ia logo beber.

Sem saber ou  até meio sem querer desabafava com ela mesma enfrentando o reflexo da sua cabeça cheia, de sua garganta apertada, de seu sufocar de leve e de rotina  e o vapor que saia dali fazendo sua testa suar.

-vamos menina,beba antes que esfrie!

Coragem

Engoliu o choro, o desespero, as ideias que faziam sua cabeça rodar,

A imagem que tinha de si mesma e o chá.

 

 

Anúncios

Andei pensando…

Eu não quero viver de pressa, passar por pessoas na rua e não olhar os rostos

amar e não olhar nos olhos

Não quero respirar pra viver e nem ao menos chegar a sentir o ar

me afogar em lágrimas e nem saber o porque

Não! Eu não quero perder os detalhes bonitos do mundo por achar que estão perdidos num mundo que não presta mais

É diferente o sair e enxergar os sorrisos, perceber o bom dia

sentir o beijo e o arrepio com calma

e o palpitar dos corações.

Beber mais um gole e pirar

Quero cada gota

E de chuva e de lágrima e de meu suor ganhando a vida mas sem perder o tempo de achar que estamos perdendo tempo não fazendo nada por aqui.

Quero o não fazer nada e só observar. Em paz.

Ouvir a musica e dançar

Parei pra pensar e quero viver.

 

 

 

 

 

 

Ai, que arte não enche barriga!

Eu não tenho dinheiro não senhor

Mas eu tenho arte de sobra, que sobra,

ou algo do tipo brotando de mim

Eu sei que isso não é dinheiro sim senhor

Mas isso é arte que escorre sem parar de dentro de mim

Ai que eu não sei como se sobrevive sem dinheiro não senhor

Mas eu também não sobreviveria sem arte, sem desejo, sem sonho e sem amor. 

 

 

 

Desabafo de mim!

Acho que não sei mais ficar de férias
Ainda estou um pouco acelerada e com a sensação de estar atrasada ou esquecendo algo
Eu não deveria estar lendo?
Ou estudando?
Ou tentando descobrir pra que as coisas servem?
Ou como realizar sonhos?
Mas eu já faço tanto isso, até quando deito pra dormir
Não durmo.
Talvez eu devesse escrever mais nos meus diários, alimentar essa minha coleção de vida. Mas tenho desperdiçado tanto tempo por aí.
As minhas ideias estão indo embora nessas tais redes antissociais, não quero estar tão presa à isso.
E o meu Tempo…
Meu?
Tenho as vezes que me lembrar de quem sou eu.
Tempo?
Eu não estou atrasada pra alguma coisa? Eu sempre estou!
É, acho que não sei mais ficar de férias!
 

Pois bem…
Eu sou atriz
Tenho por vocação a liberdade de sair por aí dançando
Andar pelas ruas gritando e deitar no chão
Tenho por profissão toda a liberdade do mundo
Divido o dia em segundos pra que ele não desate correndo a passar
No coração tenho uma terra sem grades
Em mim não há portões sem chaves ou cadeados
que costumam deixar trancafiados qualquer cidadão
Sou o que faço e de sonho pedaço
Me emendo, um remendo no tal mundo real.