Estrada

 

(essa foto não chega nem perto do contexto geral)

 

É madrugada, eu fechada no quarto ouvindo uma musica, fechei os olhos e tive uma visão fantástica,  de estar no interior de um ônibus, rodando numa estrada, em qualquer lugar do mundo, estava quase deitada, com os pés levantados sobre o banco da frente. Eu podia ver os meus pés, de tênis, e a barra da minha calça jeans, me sentia confortável e não havia mais ninguém em volta.

Era um contexto de cores levemente alaranjadas, amarelo, cor de terra, tinha pouco verde, quase nada, mas tão bonito e imenso. Estávamos cruzando um deserto,  daqueles que vemos nos filmes americanos.

A estrada passava pela janela do ônibus,  e eu seguia vendo o infinito, o céu perto da terra separado pela linha do horizonte onde eu podia ver algumas montanhas, pedras, cactos que faziam sombra no chão rachado. Contrastes, um lugar famoso por não ter vida mas que ao mesmo tempo era cheio dela. Fazendo eu me sentir viva!

Pensei ser o Alabama, o Arizona, o Tennessee, eu nem conheço esses lugares, não sei se tem deserto ou porque estou dizendo isso mas eu senti… E eu podia sentir o calor do sol através do vido do ônibus!

Sensação se suspirar, não senti nenhum medo, mas me sentia me jogando no mundo.

Eu estava lá…

Experiencia quase transcendental que durou uns míseros segundos, algum tipo de teletransporte… Me senti livre.

É muito fácil explicar que isso é fruto da minha imaginação, muitas fezes absurda, e que essa cena é resultado de uma série de fotos e filmes que vi a vida toda e não tem importância nenhuma, isso é um argumento tão convincente e “cientificamente provado” que se quiserem eu posso aceitar sem mais delongas. Mas o que eu realmente prefiro acreditar é que isso é matéria prima pra um “Déjà vu” (aquelas sensações de “já vivemos isso antes”) e que vai acontecer num futuro próximo.

Adoro essa sensação de pé na estrada!

 

Suh Mattos

Anúncios

Dear Diary

 Image

     Sabe aquele momento que te suspende do chão e te surpreende com uma tempestade de sensações misturadas, vindas de todos os lados ao mesmo tempo, te tirando do chão e te jogando num mundo paralelo?!

“Mundo paralelo”

 Eu adoro essa expressão, é o como eu me sinto muitas vezes, e gosto! Como se estivesse num lugar irreal, vivendo coisas irreais, sem classificações ou condenações, num “tempo fora do tempo”.

Também adoro isso de “tempo fora do tempo” acho que explica bem, mas será que existe? Pra mim existe.

 Adoro quando acontece, espero por isso e muitas vezes sinto falta, vou ficando por aqui, vivendo a rotina, aguardando e me guardando, quase sufocando, e então como uma espécie de milagre, quando não estou mais aguentando um desses momentos acontecem… Eles são provocados por uma sorte de motivos diferentes, não sei bem ao certo qual é o mais forte, talvez seja o conjunto.

 O fato é que me apaixono muito, por pessoas, lugares, histórias, tudo isso me tira o fôlego e a melhor parte é que sempre tem uma trilha sonora. Como num filme, tudo se mistura, coisas loucas acontecem e eu sobrevivo a tudo, querendo sempre mais. 

 Pensando em tudo isso, é quase como viver duas vidas, esses momentos vem, me enlouquecem, passam…

 E eu vivo o outro lado meu, até a chegada de um outro momento, pra me jogar de novo num mundo paralelo em um tempo fora do tempo.

 

Aguardo ansiosamente!